terça-feira, 13 de dezembro de 2011

What is a reactionary?

The second extraordinary feature of Gómez Dávila’s work is its “reactionary,” not merely conservative, content. “Reactionary” is mostly used today as an abusive epithet, sometimes as a synonym for that all-purpose slur, “fascist.” However, Gómez Dávila proudly labeled himself a reactionary and actually created a literary persona for himself as “the authentic reactionary,” precisely because of the stigma attached to the term. Gómez Dávila’s lifework was to be an authentic reactionary. The term “reactionary,” then, demands some explanation. The reactionary, in the common political sense, is a rare breed in America, primarily because of America’s own acceptance of the Enlightenment. The reactionary, in European history, as the name indicates, is fighting against something. That something is the French Revolution (and the Enlightenment). The conflict between the forces of the Enlightenment and the ancien régime was much more polarizing in Europe than it ever was in America. While America in the aftermath of its own revolution certainly witnessed its own share of power struggles between politicians with traditional, more aristocratic leanings (Federalists) and more radically democratic tendencies (Republicans), both sides generally accepted the legitimacy of Enlightenment ideals of liberal politics, which included democracy, individual rights, and a commercial society, among other things. There was, ex hypothesi, never any serious possibility that a group of disaffected American Tories would conspire to restore the authority of the British crown over the newly-independent United States.

In Europe, on the other hand, and especially in France, the conflict between the heirs of the French Revolution and its opponents—the original reactionaries—still raged during the time Gómez Dávila lived in Paris. Indeed, reactionary ideals exercised a powerful influence over certain sectors of French society until after World War II. One important reason for the persistence of reactionary ideals in France was the Catholic Church’s own resistance to modern liberalism (e.g., Pius IX’s Syllabus of Errors) and the persecution it often faced at the hands of secular governments following the Revolution, especially the Third Republic. In France, Catholicism and reaction were often overlapping (though not always identical) categories. The tension between modern liberalism and reaction continued to be felt in French Catholic circles during Vatican II. Though reaction as a cohesive movement largely died in the wake of the Council, it has survived in some French Catholic circles to this day, most visibly among the Lefebvrites (SSPX).

Gómez Dávila’s brand of reaction, however, was different. He did not mean to identify himself exclusively with a narrow political position. In several aphorisms, he acknowledged that there is no possibility of reversing the course of history. Traditionalism, in his eyes, could never be a viable basis for action. Indeed, the reactionary’s task is to be the guardian of heritages, even the heritage of revolutionaries. This certainly does not mean that Gómez Dávila made his peace with democracy; all it means is that he also did not allow himself to be deluded by promises of the restoration of the old order. Moreover, in matters of religion, despite his disdain for Vatican II and his fierce adherence to the traditional Latin Mass, which he shared with most Catholic reactionaries, he recognized that the ordinary reactionaries, the so-called “integralists” of the period, were incapable of renewing the Church. For instance, he maintained in one aphorism that the Church needed to make better use of the historical-critical method of Biblical research—a suggestion which would make many ordinary reactionaries furious. Finally, his appreciation of some authors not usually associated with conservative Catholicism, such as Nietzsche and Heidegger, might make some “traditionalist” readers nervous.

If Gómez Dávila’s brand of reaction was different, what then did he actually stand for? For Gómez Dávila, the reactionary’s task in our age is to resist democracy. By democracy he means “less a political fact than a metaphysical perversion.” Indeed, Gómez Dávila defines democracy as, quite literally, “an anthropotheist religion,” an insane attempt to rival, or even surpass, God. The secret of modernity is that man has begun to worship man, and it is this secret which lurks behind every doctrine of inevitable progress. The reactionary’s resistance, therefore, is religious in nature. “In our time, rebellion is reactionary, or else it is nothing but a hypocritical and facile farce.” The most important and difficult rebellion, however, does not necessarily take place in action. “To think against is more difficult than to act against.” But, all that remains to the reactionary today is “an impotent lucidity." Moreover, Gómez Dávila did not look forward to the establishment of a utopia; what he wanted was to preserve values within the world. For this purpose, not force but art was the more powerful weapon.

in Don Colacho’s Aphorisms, A Brief Overview of the Thought of Nicolás Gómez Dávila

sábado, 10 de dezembro de 2011

A Song of Defeat

The line breaks and the guns go under,
The lords and the lackeys ride the plain;
I draw deep breaths of the dawn and thunder,
And the whole of my heart grows young again.
For our chiefs said 'Done,' and I did not deem it;
Our seers said 'Peace,' and it was not peace;
Earth will grow worse till men redeem it,
And wars more evil, ere all wars cease.
But the old flags reel and the old drums rattle,
As once in my life they throbbed and reeled;
I have found my youth in the lost battle,
I have found my heart on the battlefield.
For we that fight till the world is free,
We are not easy in victory:
We have known each other too long, my brother,
And fought each other, the world and we.

And I dream of the days when work was scrappy,
And rare in our pockets the mark of the mint,
When we were angry and poor and happy,
And proud of seeing our names in print.
For so they conquered and so we scattered,
When the Devil road and his dogs smelt gold,
And the peace of a harmless folk was shattered;
When I was twenty and odd years old.
When the mongrel men that the market classes
Had slimy hands upon England's rod,
And sword in hand upon Afric's passes
Her last Republic cried to God.
For the men no lords can buy or sell,
They sit not easy when all goes well,
They have said to each other what naught can smother,
They have seen each other, our souls and hell.

It is all as of old, the empty clangour,
The Nothing scrawled on a five-foot page,
The huckster who, mocking holy anger,
Painfully paints his face with rage.
And the faith of the poor is faint and partial,
And the pride of the rich is all for sale,
And the chosen heralds of England's Marshal
Are the sandwich-men of the Daily Mail,
And the niggards that dare not give are glutted,
And the feeble that dare not fail are strong,
So while the City of Toil is gutted,
I sit in the saddle and sing my song.
For we that fight till the world is free,
We have no comfort in victory;
We have read each other as Cain his brother,
We know each other, these slaves and we.

Gilbert Keith Chesterton

sábado, 3 de dezembro de 2011

Liberdade e Mercado

Toward a Truly Free Market: A Distributist Perspective on the Role of Government, Taxes, Health Care, Deficits, and More, John C. Médaille

domingo, 27 de novembro de 2011

ao Fado

Parabéns Fado!
Parabéns a Rui Vieira Nery, a Carlos do Carmo, à Mariza, a Sara Pereira, a António Costa. A todos os fadistas do meu encanto, a todas as tascas do meu recanto.
Um muito obrigado.

Aos poetas da vontade, aos músicos da amizade.
Aos compositores de valores.
Aos humores da patanisca.
Aos amores de uma mourisca.

Fado - Património Imaterial da Humanidade

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Princípio do Provocatório VI

É impressão minha ou o Festival da Canção Portuguesa de 1984 foi, visto de agora, surpreendente?
José Campos e Silva - Monárquico http://vimeo.com/19494501
António Sala - saiu por estes dias o seu livro de memórias - Grande letra e cantor
Rita Ribeiro - Onde anda ela? Grande actriz e cantora

Fernando Tordo - que é que estás aí a fazer, outra vez? - és o maior
as Doce - versão feminina dos YMCA, bela canção

Paco Bandeira - a letra é da porteira do lado, é pena

Quinteto Paulo de Carvalho - (Helena Isabel??? What?)

Adelaide Ferreira _ O início está brutal, parece Super Mário em piano branco, Ela
viria a ganhar no ano seguinte
Marisa: não, não é essa, isso é que era bom
Isabel Soares, pois, também te gostava de encontrar
Samuel - fixe: 8º lugar ex-aequo com 8 votos
Samuel e Cristina: De novo Samuel? classificando-se em 13º lugar ex-aequo com 0 votos, quer dizer que a tipa fê-lo perder pontos???
Samuel: Pelo Fim Da Tarde - possa outra vez? (Já parece o de 1976, só com Carlos do Carmo, mas esse foi outra coisa!!!) Grande cantor, pena não ter ganho
Zélia Rodrigues: não me lembro dela
grupo Banda Tribo: Ganda nóia - as roupas, ai as roupas, vermelho e azul, isso lembra-me algo, não é Manel???
Ganhou Maria Guinot interpretando "Silêncio E Tanta Gente" no Festival RTP 1984, classificando-se em 1º lugar com 150 votos. Ficou no ouvido

Grande Festival. Não é que podemos encontrar Manuela Moura Guedes em estado "normal"?

Com Linda de Suza a cantar nas duas partes do espectáculo, tantas vezes a ouvi, nas viagens para a Suiça de carro, com o walkman.

sábado, 12 de novembro de 2011

Para reflectir...

"Isto quer dizer que os actuais impostos são um preço: o preço que pagamos por termos a sociedade que temos (...)" - José Casalta Nabais, Direito Fiscal, 4ª Edição

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A analisar com cuidado

O óptimo artigo do Rui Botelho Rodrigues. Nunca se escreveu tão bem sobre socialismo sem citar, uma única vez, autores socialistas (diga-se, para diminuir o efeito do sarcasmo, que nem é essa a intenção do texto) .

quarta-feira, 2 de novembro de 2011


Homme libre, toujours tu chériras la mer
La mer est ton miroir ; tu contemples ton âme
Dans le déroulement infini de sa lame,
Et ton esprit n’est pas un gouffre moins amer.

Tu te plais à plonger au sein de ton image ;
Tu l’embrasses des yeux et des bras, et ton cœur
Se distrait quelquefois de sa propre rumeur
Au bruit de cette plainte indomptable et sauvage.

Vous êtes tous les deux ténébreux et discrets :
Homme, nul n’a sondé le fond de tes abîmes,
Ô mer, nul ne connaît tes richesses intimes,
Tant vous êtes jaloux de garder vos secrets !

Et cependant voilà des siècles innombrables
Que vous vous combattez sans pitié ni remord,
Tellement vous aimez le carnage et la mort,
Ô lutteurs éternels, ô frères implacables !

Charles Baudelaire, Les Fleurs du mal

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Das Cheias da Tailândia

in Combustões
Os governos representativos são coisa bonita, mas não resistem à mínima contrariedade. Pergunto-me para que servem esses parlamentos amadores, com 200, 300 ou 400 deputados reunidos em permanência – com as suas comissões parlamentares, as suas auditorias, os discursos de facção, as oposições – se não conseguem responder a solicitações tão básicas como o fornecimento de água potável e um prato de arroz a milhões de pessoas afectadas por uma calamidade natural. Sim, como no Antigo Regime, deviamos ter uns Estados Gerais de dez em dez anos, um governo escolhido e devidamente vigiado por um funcionalismo público especializado e pouco mais.
Ausência de governo representativo ? Não, porque no Antigo regime havia as liberdades que obrigavam o Estado a não ultrapassar os seus limites, havia os parlamentos regionais, as comunas e os corpos sociais sempre atentos à mínima tentação controleira do governo central. As pessoas clamam por liberdade – o mais precioso dos bens – mas começam a desesperar da intolerável inépcia daqueles que, embora eleitos, já não conseguem esconder a escancarada mentira de uma inutilidade prejudicial.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Conferência Marcos Ghio

mais dados aqui
Com presença do Professor Humberto Nuno.
Agradecidos à Legião Vertical

1.ª Conferência do Liberalismo Clássico

Uma nova iniciativa das organizações liberais clássicas, contando com a participação de nomes experimentados como Carlos Novais, João Miranda, André Azevedo Alves e Adelino Maltez, assim como com a entrada da doutrina jovem do liberalismo clássico português como Michel Seufert, Samuel de Paiva Pires e Ricardo Campelo de Magalhães.

Especial atenção para a intervenção de André Azevedo Alves: A Escola de Salamanca e as origens ibéricas do liberalismo clássico.

O Espectador Portuguez vai tentar aparecer.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Princípio do Provocatório IV


Aqui está uma ligação para um programa de rádio onde "Na segunda parte do programa, falamos com os pianistas Bruno Belthoise e Christina Margotto, que acabaram de gravar os três primeiros cadernos das Melodias Rústicas Portuguesas, de Fernando Lopes-Graça, para edição em CD em 2011".

Atentem no compositor (comunista) e nos intérpretes (esta já é só para quem sabe).
Atentem num programa que já acabou, de uma rádio que já se finou, passando a ser a rádio "Nostalgia".

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O Novo Príncipe

D. Miguel I, O Tradicionalista
Queluz, 26.10.1802 — Bronnbach, 14.11.1866
Reinado: 1828 — 1834

Agradecido ao ESF, por sempre recordar as datas importantes.

O Repouso do Guerreiro

Laisser la poésie décider de son sort
Sortir au matin et accepter la mort
Mordre dans la vie sans penser à demain
Maintenir le cap tout droit vers son destin

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

the Catholic-Protestant antithesis

In order to come to symbolic comprehension of the Catholic-Protestant antithesis one must compare two paintings: the Birth of Venus by Botticelli and American Gothic by Grant Wood. The Birth of Venus follows a pagan pattern, but every sensitive person will perceive that this is a Christian Venus, surrounded by a hardly perceptible glow of sensuality, yet expressing a real synthesis of Eros and Agape, earthly and divine love. She is a "baptized" Venus. The painting of Grant Wood shows us a very Protestant American farmer and his wife with a white, Gothic wooden church in the background.
The man holds in his hand a pitchfork with painfully pointed prongs. His balding pate, his thin lips, his clean spectacles no less than his prim and severe wife at his side frightened no less a man than Albert Jay Nock.
The outcry of bigots which could be heard at the end of the 19th century that the Democratic Party in New York stood for "Rum, Romanism and Rebellion" was somehow not without substance when we translate this accusation with "Joie de vivre, Catholicism and Individualism." To our ears, at least, the reverse — "Prohibition, Protestantism and Prostration" — hardly sounds more attractive.
This is by no means an "original theory", but a thesis alluded to by D. H. Lawrence and Everett Dean Martin, who emphasized the fact that Americans have tried to flee the Middle Ages, but never "thought themselves out of them."

Erik Kuenheldt-Leddihn, Liberty or Equality

domingo, 23 de outubro de 2011


O Estado social, ou o conhecido "welfare state", foi constituído com o objectivo de unificar a população "alemã" nos idos tempos de 1836 - 1870.
Ora, o que muitos desses manifestantes desocupados que apenas sabem gritar por "direitos adquiridos" deviam procurar captar, nos seu amplo tempo livre e de deleite intelectual é que quando o sistema foi pensado, o mundo era "ligeiramente" diferente.

Ora façamos uma breve resenha histórica:

Otto von Bismark, na altura Chanceler do que é hoje a Alemanha moderna, procurava ganhar o suporte da indústria alemã para as suas reformas conservadoras. Bismark procurava o suporte da industria alemã acima de tudo porque precisava do suporte da classe trabalhadora da altura. Ora o grande problema social que na altura afectava a Alemanha era a emigração de milhares de nacionais para os Estados Unidos, já que nesse país os salários eram maiores.

Desta forma, Bismark resolveu iniciar os chamados "programas partenalistas" no começo de 1840 na Prussia e na Saxonia, de forma a contrabalançar os salários mais baixos europeus, com as pensões de velhice, seguros de acidente, cuidados médicos e de desemprego, dado que esses programas não existiam nos Estados Unidos.

Isto é, Bismark de uma forma engenhosa tornou a Alemanha mais atraente aos trabalhadores sem aumentar os salários, i.e. com a promessa de cuidar dos seus no futuro ou em caso de azar.

Claro que estas políticas tiveram um reverso. Para garantir o sistema, Bismark adoptou um sistema de tarifas aduaneiras bastante agressivo, de forma a proteger os lucros e os salários da concorrência americana, o que garantia um sistema mais ou menos isolado e capaz de gerar receitas adicionais.

Com base nesta breve e incompleta resenha, temos de lembrar aos nossos "queridos" manifestantes, que desde 1840, as coisas mudaram um bocado:

  • Não existem tarifas aduaneiras relevantes hoje em dia;
  • Hoje em dia com a globalização, os salários, os lucros da empresas mudam de país para país com grande facilidade, seja por motivos fiscais, sejam operacionais;
  • A economia moderna é baseada em bens intangíveis, que são muito difíceis de controlar e de tributar;  
Ora, se queremos um Estado social, é muito fácil:
  • Sair da União Europeia - acabou-se as viagens fáceis para Barcelona no fim-de-semana e as idas regulares para a Holanda fumar umas cenas para a malta do B.E.;
  • Impor tarifas aduaneiras que seguem à 50% do valor de muitos bens de luxo - Queres um telemóvel novo? Bem meu caro, reza que haja alguma empresa de latas e cordeis em Portugal, que o IVA vai ser o teu menor problema.
  • Melhor aprenderes a plantar as verduras...que sem benefícios fiscais e fora da Europa 90% das indústrias em Portugal vão fechar! Mas pelo menos vamos ter verduras fresquinhas (quando o tempo ajudar...quando não...vamos todos fazer dietas);
  • Já quanto aos serviços, acho mesmo que temos todos de ir estudar para Segurança Social...vai haver uma forte procura nesse sector! Esquece gestão, economia ou direito, a horta não precisa de tal. Já medicina, cheira-me que sem medicamentos baratos do livre comercio e sem equipamento vai ser mais preciso de padres que de médicos.
Mas vejamos, isto tudo é supérfluo, teremos um subsídio de emprego, de doença não vai haver, porque será o estado normal das pessoas, logo haverá um subsídio de saúde que é auferido durante os dias do ano que estejamos saudáveis. E por fim, pensão de velhice....essa não será necessária!

Lá teremos o nosso belo Estado Social, extremamente sustentável! Basta para isso negar os avanços modernos do livre comércio e sermos pobres! 
Left to themselves or led by their tribunes the masses never established anything. They have their face turned backwards; no tradition is formed among them; no orderly spirit, no idea which acquires the force of law. Of politics they understand nothing except the element of intrigue; of the art of governing, nothing except prodigality and force; of justice, nothing but mere indictment; of liberty, nothing but the ability to set up idols which are smashed the next morning. The advent of democracy starts an era of retrogression which will ensure the death of the nation and the State . . . .
Proudhon, Du principe de federation

sábado, 22 de outubro de 2011

Princípio do Provocatório III

Gesta[lt] - Gesta[po]
....polt... '
....lopt... '
....tolp... '
Aula de Teorias e Metodologias de Aprendizagem
Apocalipse, série documental, sobre a 2ª Guerra Mundial

terça-feira, 18 de outubro de 2011

A Crise

Está na moda dizer que soluções que dinamizem a iniciativa privada são soluções de um passado capitalista que já se provaram ultrapassadas pela crise nos EUA. Esquecem-se que a crise americana e a portuguesa diferem na origem e nas causas. A deles deve-se a um mercado desregulado que se aproveitou das condições criadas pela acção do Estado. A nossa deve-se a um sistema fiscal pesado, a um Estado megalítico e tentacular e a uma iniciativa privada fossilizada.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O Cobridor

O Rei Constitucional, após todas as limitações impostas ao livre desempenho das suas funções, mantém apenas uma característica própria do exercício do poder monárquico: assegurar a continuidade da representação dinástica.

Em poucas palavras, o Rei Moderno tem como principal e único dever procriar.

domingo, 16 de outubro de 2011

De onde vem a nossa Contra-Revolução?

Com todo o respeito pela sapiência de António José de Brito, cujo pensamento só aproveitou a uma Direita portuguesa paupérrima do ponto de vista teórico/filosófico, num século XX pouco inspirador e onde o pensamento conservador português foi preguiçoso e pouco inovador, atrevo-me a lançar algumas dúvidas e aproveitar para fazer algumas reflexões em torno do excerto daqui retirado:

1- Há uma tradição de pensadores como José Acúrsio das Neves, marquês de Penalva, José Agostinho de Macedo, Gama e Castro, que nada deve aos Integralistas e à escola de Alfredo Pimenta. Se tal como De Maistre, Bonald, e outros fundadores do pensamento conservador europeu, são considerados os ascendentes directos de Maurras e dos autores-proto-fascistas, o mesmo acontece em relação aos autores de cá, o que é que não ganharia a direita portuguesa em entroncar o seu pensamento nos originais contra-revolucionários em vez de se perder nas suas perversões?

2- Os autores contra-revolucionários portugueses em nada se opõem à política de liberalismo económico que o Antigo Regime vinha a encetar nos últimos decénios do século XVIII, imprimindo uma maior prosperidade ao nosso sector industrial e mercantil, agilizando as relações económicas combatendo a excessiva corporativização da sociedade. Estarão os contra-revolucionários tão presos ao ideal corporativista como os fascistas? Na minha opinião, a visão económica dos nossos contra-revolucionários, especialmente José Acúrsio das Neves, pauta-se mais por uma questão de eficiência do que uma questão de engenharia social. Nestes é decididamente defendida a necessidade da propriedade privada, de um regime de livre-iniciativa que paute as relações comerciais, e da condição do estado como árbitro superior.

Contra-Revolução e Fascismo

in O Reaccionário

Nesta altura, estamos em condições de indicar, num simples resumo, o que separa e o que aproxima a Contra-Revolução do Fascismo.
As afinidades positivas e negativas são bem patentes. Acentuação do valor superior do Estado face ao indivíduo, afirmação do Absoluto, corporativismo, culto do Poder pessoal, anti-relativismo, anti-liberalismo, anti-democratismo, anti-marxismo.
No entanto a Contra-Revolução e o Fascismo contrapõem-se nos seguintes tópicos.
A Contra-Revolução é conservadora, o Fascismo é revolucionário.
A Contra-Revolução aceita a esfera do privado, em geral, e a propriedade privada em especial, o Fascismo não admite em tese uma esfera puramente privada e tem tendências socializantes.
Por outro lado, a Contra-Revolução firma-se num Absoluto transcendente, o Fascismo concebe o Absoluto como imanente-transcendente.
A Contra-Revolução e o Fascismo possuem um entendimento diferente do Corporativismo e da supremacia do Estado sobre o indivíduo ou pessoa humana. A Contra-Revolução limita-se a subordinar o indivíduo ao Estado e submete-o, bem como ao Estado, à Igreja. O Fascismo visa a identificação do indivíduo ao Estado acima do qual nada vê.
Numa palavra: Fascismo e Contra-Revolução são universalistas, o Fascismo de um universalismo totalitário, a Contra-Revolução de um universalismo católico-tradicionalista.

– António José De Brito in Para a Compreensão do Pensamento Contra-Revolucionário: Alfredo Pimenta, António Sardinha, Charles Maurras, Salazar.

O Regime de Impostos II

in Dragoscópio

Note-se que quando digo "barbárie" não quero significar apenas o tumulto asselvajado nas ruas, vulgarmente conhecido como "revolução". A revolução é apenas uma barbárie decorrente, uma prossecução, senão fatal, seguramente lógica. Não: é a barbárie inaugural, desencadeadora (e "legitimadora") de todas as outras, que sobremaneira alvejo e que se traduz, por exemplo, em fórmulas aparentemente assépticas como "regime de impostos". Quando este "regime de impostos" mais não camufla que um "esquema de metapredação", não há volta a dar, estamos de regresso à barbárie que só não é pura porque é sofisticada, que só não é selvagem porque é burocrática. Ora, um Estado que assim se coloca fora da civilização, porque atentador-mor contra a vida dos próprios povos, é um mecanismo pária, hipertrofiado e insaciável que, tanto quanto justifica, convoca à legítima defesa. Até porque um Estado que assim age não serve os interesses da sua própria comunidade nacional, mas os meros apetites de partes corruptas dela, bem como as estratégias de potências externas. Como se procede à legítima defesa? Fazendo uma revolução? A revolução é só o culminar da acção desagregadora do Estado. Chamar-lhe solução para o problema é o mesmo que confundir o colapso final dum organismo com o remédio santo da sua cura. A verdade é que não existem remédios santos, abracadabras mágicas nem panaceias instantâneas para infecções e neoplasias cuja génese decorre há séculos. Tão pouco dispomos de ciências, ainda menos históricas, com capacidade de decifração exacta e infalível (que é como quem diz, matemática) da imensidão de factores, condicionantes e incógnitas em jogo. Não é apenas mega-iludido quem assim pensa: é criminoso. E gera, regularmente, ruínas, quando não catástrofes.
O facto é que os reinos, ao descambarem em nações, contraíram o Estado Moderno como quem contrai um cancro - daqueles em forma de necrose particularmente autofágica. De resto, o Estado e o "Mercado" não poderiam ter germinado e crescido um sem o outro (isto é, sem uma circulação desembaraçada de capitais e uma protecção proficiente e estratégica das rotas e das lógicas comerciais) . Estado e Finança são inseparáveis. Entretecem-se e reforçam-se. Afinal, sempre foi preciso financiamento para exércitos e obras públicas. Só que como o Estado em relação à Nação, também a Finança começa por servir o Estado e acaba a servir-se dele. Por outras palavras, assim como a Nação desenvolve um Estado, o Estado desenvolve uma Finança. À medida que se hipertrofia o Estado, hipertrofia-se ainda mais a Finança. Necrose com necrose se paga. Quanto mais o Estado devora a Nação, mais a Finança digere o Estado. De modo que a sujeição nanificante (e nadificante) da nação a um estado descomunal agrava-se pela subserviência deste a uma Finaça desorbitada e exorbitante. E tanto assim é, e tem sucedido, que podemos hoje em dia testemunhar o nosso próprio Portugal a ser estrangulado por um Estado que a Finança traz pela trela.

O Regime de Impostos

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Human Will and Popular Sovereignty

«. . . because of this ignorance of the primitiveness of their instincts, of the urgency of their needs, of the impatience of their desires, the people show a preference towards summary forms of authority. The thing they are looking for is not legal guarantees, of which they do not have any idea and whose power they do not understand; they do not care for intricate mechanisms or for checks and balances for which, on their own account, they have no use; it is a boss in whose word they confide, a leader whose intentions are known to the people and who devotes himself to its interests,that they are seeking. This chief they provide with limitless authority and irresistible power. The people, considering everything to be just which they consider useful to themselves, since they are the people, ridicule all formalities and do not impose conditional limitations on the depositories of power. Inclined towards suspicion and calumny, but incapable of methodical discussion, they believe in nothing definite save the human will. Their only hope is man. They have confidence only in their creatures: In principibus, in filis hominum. They expect nothing from principles—which alone can save them. They do not have the "religion of ideas."»

P. J. Proudhon, Du principe de federation

Crónica de concerto


Sobre o cais
Imerso pelas casas.
Linda vista, esta, sobre o Rio Douro do Miradouro da
Vitória, local talvez pouco
Adequado, mas com

A força de vontade tudo consegue.
Nem sempre se ouviram bem todos os instrumentos,
A electrónica "perdia-se" por vezes;

Ora, um pouco mais de sons da cidade (pássaros a voar, mulheres a gritar)
Ligariam melhor com esta peça de
Igor Silva, chamada City Noise,
Versada sobre a confluência destes sons no nosso quotidiano,
Englobando garrafas de vidro percutidas,
Invertidas na sua função
Rudimentar, para algo útil e cheio de vida.
Apareceram muitos e muitas turistas,

Criando uma atmosfera descontraída e atenta,
A olhar, admirados, para este ensemble,
Radiantes por estas "performances" ad-hoc.
Levemente o sol nos batia na fronte.
Ora! nós tínhamos camisas, aventais, calções
Sobre nós, como tenda alternativa.

Ridículo? Nada disso.
Isto foi muito bem pensado para uma
Tarde solarenga de final de Setembro (29 - 18horas).
Ora nem mais.

Foi bom
Rubricar esta presença.
Estar perante uma peça
Dum compositor com
Rubricadas na Capital, Lisboa
Inseridas no festival "Jovens Músicos" na
Calouste Gulbenkian.

Clareza nos ataques de violoncelo
Acoplado ao clarinete,
Rico de velocidade,
Dinâmica e risco,
Original na junção
Subtil, com humor, dos sons do
"Ordinateur" - de computador.

Momentos divertidos
Apimentados com uma direcção
Rigorosa, vigorosa e
Com alguma gesticulação do maestro
Estreando esta obra.
Leveza da percussão
Obrigava a ter muita

Atenção por parte do ensemble, da electrónica notou-se muita atenção.
Impossível dizer mais
Receio até que melhor.
E tenho dito.

domingo, 9 de outubro de 2011

Política previsível (VI)

Então, parece que houve eleições na Madeira.
Ah e tal, houve ilegalidades e bitaites foleiros.
O Coelho conseguiu ganhar terreno ao Jardim.

E a vida continua...

(Enquanto ouvia as declarações de João Jardim, o JJ da Madeira, na Antena 1)

"Oh Diabo, isto sem óculos não dá!!"
Pois é, João, sem óculos não dá para perceber o buraco que criaste!

Boa Ideia, Má Moeda

Quando, num determinado território, circulam livremente má e boa moeda, dita a experiência que a acção natural dos mercados levará a que, através do entesouramento da boa moeda, acabe a má moeda por se tornar a mais comum em circulação.

A Lei de Gresham aplica-se igualmente ao mundo das boas e das más ideias.
Se deixarmos vaguear, desregulada e livre, uma má ideia, esta acaba por dominar o mercado.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Iniciativa e Força

«O Integralismo pretende estabelecer um regime mais autoritário e ao mesmo tempo mais livre do que o adoptado pela Monarquia constitucional, ingloriamente deposta em 5 de Outubro. Mais autoritário, porque o Rei terá a iniciativa e a força do Governo; o seu poder não será partilhado, saber-se-á sempre de quem emana o acto de autoridade.
Entretanto o regime será mais livre, porque esse poder, nem dividido nem aquinhoado, será mais restrito e limitado. Enquanto o Estado parlamentar, incapaz de grandes empreendimentos, se intromete em tudo, sem ter nunca de responder por coisa alguma, o Estado integralista, mais vigoroso na esfera da sua competência imediata, verá a sua autoridade diminuir, até desaparecer para além dos limites que lhe marcam os municípios, as províncias, a organização local e geral das profissões e dos interesses.»

Luís de Almeida Braga

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

(Des)acordo Ortográfico

A todos os que ainda não tomaram conhecimento da existência de uma forma capaz de reverter o enorme erro e atentado que representa o novo (des)acordo ortográfico para a nossa língua, cultura e soberania, voltamos a lembrar a existência da Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC) Contra o Acordo Ortográfico.
Por favor, redescubra a utilidade do seu cartão de eleitor. Seja um português consciente e participe na defesa da sua língua e da sua cultura.
Para mais informações visite http://ilcao.cedilha.net ou www.portuguespt.com.
in Nova Casa Portuguesa

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Princípio do Provocatório II


De que sedas se fizeram os teus dedos,
De que marfim as tuas coxas lisas,
De que alturas chegou ao teu andar
A graça de camurça com que pisas.

De que amoras maduras se espremeu
O gosto acidulado do teu seio,
De que Índias o bambu da tua cinta,
O oiro dos teus olhos, donde veio.

A que balanço de onda vais buscar
A linha serpentina dos quadris,
Onde nasce a frescura dessa fonte
Que sai da tua boca quando ris.

De que bosques marinhos se soltou
A folha de coral das tuas portas,
Que perfume te anuncia quando vens
Cercar-me de desejo a horas mortas.


José Saramago, Os Poemas Possíveis,
Lisboa, Editorial Caminho, 1981 -
- Poema inserido na pequena antologia «Poemas Leya» comemorativa da publicação do número 1000 do Jornal de Letras

Princípio do Provocatório

Lança menina
Lança todo esse perfume
Não dá prá ficar imune
Ao teu amor
Que tem cheiro
De coisa maluca...

Vem cá meu bem
Me descola um carinho
Eu sou neném
Só sossego com beijinho
Vê se me dá o prazer
De ter prazer comigo...

Me aqueça!
Me vira de ponta cabeça
Me faz de gato e sapato
E me deixa de quatro no ato
Me enche de amor, de amor

Lança menina
Lança todo esse perfume
Não dá prá ficar imune
Ao teu amor que tem cheiro
De coisa maluca...

Vem cá meu bem
Me descola um carinho
Eu sou neném
Só sossego com beijinho
E vê se me dá o prazer
De ter prazer comigo...

Me aqueça!
Me vira de ponta cabeça
Me faz de gato e sapato
Ah! Ah!
Me deixa de quatro no ato
Me enche de amor, de amor...

Lança! Lança Perfume!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Lança! Lança Perfume!
Oh! Oh! Oh!
Lança! Lança!
Lança Perfume!
Lança Perfume!...

Lança menina
Lança todo esse perfume
Não dá prá ficar imune
Ao teu amor que tem cheiro
De coisa maluca...

Vem cá meu bem
Me descola um carinho
Eu sou neném
Só sossego com beijinho
Vê se me dá o prazer
De ter prazer comigo...

Me aqueça!
Me vira de ponta cabeça
Me faz de gato e sapato
Me deixa de quatro no ato
Me enche de amor, de amor...

Lança! Lança Perfume!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Lança! Lança Perfume!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Lança! Lança!
Lança Perfume!
Lançaaaaa Perfume!
Lançaaaaa Perfume!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Lança Perfume!
Lança Perfume!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Lança! Lança Perfume!
Lançaaaaa Perfume!
Lançaaaaa Perfume!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Lança Perfume!
Lança Perfume!...

terça-feira, 4 de outubro de 2011

morra a Constituição!

Quando os povos soltaram aquele primeiro grito, morra a Constituição, as suas imprecações não se dirigiam contra a verdadeira e legítima Constituição do Estado. Dirigiam-se contra a Constituição de 1822, viciosa pelo modo tumultuário e criminoso com que foi feita, péssima pelos princípios em que é fundada e abominável pelos abusos e atentados a que tem dado causa ou servido de pretexto.
Pois nós tínhamos Constituição?... Sim, nós a tínhamos e uma das melhores da Europa. Se a não tivéssemos, não teríamos formado um corpo político tão robusto e tão perfeitamente organizado que resistiu a todas as tempestades políticas que há sete séculos têm agitado a Europa e destruído tantos impérios. (...)
Temos regulada sobre os melhores princípios a forma do Governo, a sucessão da Coroa, os tribunais e todo o nosso Direito Público; e se não está recopilado tudo isto em um caderno de 100 páginas, dividido por títulos, capítulos e artigos muito pequenos, segundo a moda, pouco custará dar-se-lhe essa forma. Temos leis muito sábias que protegem o direito da propriedade, a segurança dos cidadãos e a justa liberdade de que se pode gozar no Estado social. Ninguém é punido nem coarctado nas suas acções senão em consequência das leis; e aqui está aquele princípio que os demagogos proclamaram com tanto entusiasmo como descobrimento seu, que ninguém deve ser obrigado a fazer senão o que as leis determinam, nem a deixar de fazer senão o que as leis proíbem. Ninguém é dispensado de concorrer para as despesas públicas; o caminho para as honras e para os grandes empregos está aberto a todas as classes; tudo o que há de bom na organização dos estados mais bem governados da Europa, nós o temos na nossa. Eis aqui a Constituição da Monarquia Portuguesa.
José Acúrsio das Neves, Cartas de um Português aos seus Concidadãos, CARTA XIII, O que os povos desejam e o que não desejam

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Joaquim dos Santos

Mais um passo na divulgação deste importantíssimo património cultural, material e imaterial de grande interesse não só ao nível da música na sua vertente prática mas também no realce e (re)descoberta de um importante apoio pedagógico.

Os meus agradecimentos à Ava Editions, ao Jornal "O Basto" e, principalmente, ao meu grande Amigo, Nuno Costa, sem o qual o início deste passo não teria sido possível.


Meditação do Duque de Gândia

Nunca mais
a tua face será pura limpa e viva,
nem teu andar como onda fugitiva
se poderá nos passos do tempo tecer.
E nunca mais darei ao tempo a minha vida.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.
A luz da tarde mostra-me os destroços
do teu ser. Em breve a podridão
beberá os teus olhos e os teus ossos
tomando a tua mão na sua mão.

Nunca mais amarei quem não possa viver
porque eu amei como se fossem eternos
a glória, a luz e o brilho do teu ser,
amei-te em verdade e transparência
e nem sequer me resta a tua ausência,
és um rosto de nojo e negação
e eu fecho os olhos para não te ver.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.

Sophia de Mello Breyner Andresen

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Rei Demos

Real, Real, Por Quem Não Merece Portugal!
1. Dou o meu inteiro apoio ao Movimento das Forças Amadas e à Junta de Salvação Nacional, a minha plena adesão ao seu Programa, especialmente em ordem à instauração de uma verdadeira e consciente Democracia, saneamento da vida pública e solução do problema do Ultramar, no mais estrito respeito pelos inalienáveis direitos da pessoa humana.
Mensagem do Príncipe da Beira, 1974

Heróis do Mar - Revolução

Agradeçam ao Homem de Muge

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Chaves do Céu

Isaías 22:22

"Naquele dia chamarei a meu servo Eliaquim, filho de Hilquias, e vesti-lo-ei da tua túnica, e cingi-lo-ei com o teu cinto, e entregarei nas suas mãos o teu governo; e ele será como pai para os moradores de Jerusalém, e para a casa de Judá.
Porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro; ele abrirá, e ninguém fechará; fechará, e ninguém abrirá."

Evangelho de S. Mateus, 16:19:

"Também Eu te digo: Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Abismo nada poderão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra, será desligado nos céus".

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Le Rebelle

Un Ange furieux fond du ciel comme un aigle,
Du mécréant saisit à plein poing les cheveux,
Et dit, le secouant: «Tu connaîtras la règle!
(Car je suis ton bon Ange, entends-tu?) Je le veux!

Sache qu'il faut aimer, sans faire la grimace,
Le pauvre, le méchant, le tortu, l'hébété,
Pour que tu puisses faire à Jesus, quand il passe,
Un tapis triomphal avec ta charité.

Tel est l'Amour! Avant que ton coeur ne se blase,
À la gloire de Dieu rallume ton extase;
C'est la Volupté vraie aux durables appas!»

Et l'Ange, châtiant autant, ma foi! qu'il aime,
De ses poings de géant torture 1'anathème;
Mais le damné répond toujours: «Je ne veux pas!»

— Charles Baudelaire

Liszt : Totentanz - Dança da Morte

José Vianna da Motta ( 1868-1948 )

"Cristo profetizou todos os pormenores da arquitectura gótica na Sua reacção às objecções que as pessoas nervosas e respeitáveis (...) levantaram aos brados dos garotos das ruas de Jerusalém. «Se estes se calarem, as próprias pedras clamarão», disse Ele. E foi assim que, sob o impulso do Espírito, surgiram as fachadas das catedrais da Idade Média, cobertas de bocas escancaradas e de faces que gritam
/as gárgulas/ , qual coro de clamores. A profecia cumpriu-se: são as próprias pedras que clamam." G. K. Chesterton - Ortodoxia

György Cziffra ( 1921–1994 )

domingo, 25 de setembro de 2011

Novio de la Muerte

Nadie en el Tercio sabía
quién era aquel legionario
tan audaz y temerario
que en la Legión se alistó.
Nadie sabía su historia,
más la Legión suponía
que un gran dolor le mordía
como un lobo el corazón.
Cuanto más rudo era el fuego
y la pelea más fiera,
defendiendo su Bandera,
el legionario avanzó.
Y sin temer el empuje
del enemigo exaltado,
supo morir como un bravo
y la enseña rescató.
Y al regar con su sangre la tierra ardiente,
murmuró el legionario con voz doliente:
Soy un hombre a quien la suerte
hirió con zarpa de fiera.
Soy un novio de la muerte
que va a unirse en lazo fuerte
con tal leal compañera.
Cuando al fin le recogieron,
entre su pecho encontraron
una carta y un retrato
de una divina mujer.
Y aquella carta decía:
"...si Dios un día te llama,
para mí un puesto reclama,
que a buscarte pronto iré".
Y en el último beso que le enviaba,
su postrer despedida le consagraba.
Por ir a tu lado a verte,
mi más leal compañera,
me hice novio de la muerte,
la estreché con lazo fuerte
y su amor fue mi Bandera.

sábado, 24 de setembro de 2011

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A Verdade em História

Em qualquer uma das modernas línguas ocidentais a palavra Verdade (Truth, Warheit, Pravda, Verité, Verdad) carrega um significado etimológico que joga simultaneamente com o mundo do facto e com o do valor. A Verdade é, assim, em simultâneo, juízo de valor e afirmação do facto. A verdade exige uma valorização absoluta (como aquela que fez Marx quando considerou a luta de classes como o principal motor da mudança histórica) tanto para os factos sem valor como para os juízos de valor. Ora a subjectividade é uma característica preponderante para a definição da investigação histórica. A Verdade Histórica tem, por tal, de se situar numa posição intermediária entre estes dois pontos, uma vez que o seu absoluto é, nos dizeres de Butterfield, a mudança. Este mesmo factor impede-a de ter "leis" capazes de fazer previsões futuristas, próprias de uma ciência como a económica (pelo menos é assim que actuam certos economistas), mas tem uma contextualização que permite analisar tendências, permitem pressentimentos, descobrir padrões (apesar de estes nunca serem gerais) e mecanismos de mudança histórica em geral.

Ainda em relação a este tema, faço minhas as palavras de A. von Martin, quando este define , na sua "The Sociology of the Renaissance", a História como um composto entre um elemento positivo e absoluto - a mudança; e outro elemento subjectivo e relativo - a inércia. Deste modo podemos dizer, com o filósofo colombiano Nicolás Gomez Dávila, que a "Verdade está na História, mas a História não é a Verdade". A História é necessariamente Objectiva quando se limita a reconstruir a consciência que um determinado passado teve de si mesmo. É o historiador, com a sua subjectividade, com as suas causas e as suas estruturas que a transforma, na ânsia de transcender a impressão empírica de uma consciência alheia, em mera projecção da sua própria consciência.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Sentido da História

EL individuo cree en el «sentido de la historia» cuando el futuro previsible parece favorable a sus pasiones (EI, 272c).

Nicolás Gomez Dávila, Escólios

domingo, 18 de setembro de 2011

‎"All that is gold does not glitter,
Not all those who wander are lost;
The old that is strong does not wither,
Deep roots are not reached by the frost.

From the ashes a fire shall be woken,
A light from the shadows shall spring;
Renewed shall be blade that was broken,
The crownless again shall be king."

— J.R.R. Tolkien (The Fellowship of the Ring)

sábado, 17 de setembro de 2011

Um Amigo

Que surge, surpreendentemente, nos sítios mais inesperados.

ver sobre o autor:

Ao Encontro da Madrugada

"Para testemunhar a verdade da sua Terra, mandou Deus a geração nova. Para testemunhar a mesma verdade, praticando o acto de Inteligência que eu peço à geração nova para praticar, é que eu me confesso católico e monárquico.
Confessando-me católico e monárquico, confesso o património civilizador da minha Raça e a parte que me cabe, dentro dele para o prolongar e enriquecer ainda mais. Preparemos os corações, saindo pela noite funda ao encontro da madrugada!"

António Sardinha

Na Floresta do princípio dos tempos

Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que, pela sua palavra, hão-de crer em Mim, para que todos sejam um só; como Tu, ó Pai, estás em Mim e Eu em Ti, que também eles estejam em Nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste. Dei-lhes a glória que Tu Me deste, para que sejam um como Nós somos Um. Eu neles e Tu em Mim, para que eles sejam perfeitos na unidade e para que o mundo reconheça que Tu Me enviaste e os amaste, como Me amaste a Mim. Pai, quero que aqueles que Me deste, onde Eu estiver, também eles estejam Comigo, para que vejam a minha glória, a glória que Tu Me deste; porque Tu me amaste antes da fundação do mundo. Pai justo, se o mundo não Te conheceu, Eu conheci-Te, e estes conheceram que Tu Me enviaste. Dei-lhes a conhcer o Teu nome e dá-lo-ei a conhecer, para que o amor com que Me amaste esteja neles e Eu esteja neles também.

João, 17, 20-26

Literacia Musical

" Se perguntarmos a quem usa o termo "literacia musical" o que entende como tal (qual o seu significado), a resposta quase sempre é referida à habilidade para se funcionar fluentemente enquanto músico. Mas, procure-se o significado mais profundo de 'função', 'fluência' ou 'músico', e torna-se claro que essa visão se restringe quase exclusivamente à habilidade para decifrar notação escrita e, por sua vez, transformá-la, com a máxima 'exactidão', em som.
Mas, problemas emergem na base de conceitos de "literacia musical" como este. É que, enquanto muitos músicos espalhados pelo mundo conseguem decifrar fluentemente notação escrita, muitos modos de fazer música existem onde a notação não tem qualquer lugar. (...) Por outro lado, uma exposição precoce à leitura de partituras pode levar os indivíduos a subvalorizar ou não focalizar devidamente características ou aspectos da música relevantes, (...) assim como, enfatizar ou privilegiar a partitura pode dar origem ao atrofiamento de capacidades criativas ou até de memorização musical (...). "

Mills, J. & McPherson, G. (2006), Musical Literacy, in G. McPherson, The Child as musician, Oxford: Oxford University Press, p. 155 e 156.

Como interpretar esta problemática?

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

O CRAT - o C

O leitor incauto perguntar-se-à sobre o que raio é um CRAT. Na busca desesperada para encontrar um termo que defina um movimento conservador, reaccionário, autoritário ou tradicionalista, resolvi por fim baixar os braços, desistir e entregar a um movimento sério e promissor uma temporária sigla pateta - C(onservador) R(eaccionário) A(utoritário) T(radicionalista).

Um movimento conservador baseia-se em 6 premissas:
1 - todo o edifício de pensamento conservador assenta na crença num Princípio Criador de todo o Universo, um Mestre Eterno com autoridade suprema sobre as leis materiais da Existência;
2 - a moralidade absoluta. Proveniente da experiência religiosa e social da comunidade, é inquestionavelmente a base da lei pública, e daí a necessidade da existência do Estado, que é o promotor principal do Bem Comum;
3 - o princípio fundamental da acção do Governo é balizado pelo princípio da subsidiaridade, presente na Doutrina Social da Igreja Católica, ou seja, a acção do aparelho burocrático supremo só se deve dar quando os organismos mais pequenos e pessoais (Família, Paróquia, Município, Empresa, Sindicato, Associação, etc.) falharem em providenciar à sociedade uma resposta eficaz que apazigúe a exigência de Paz Pública demandada pelo Bem Comum a toda a sociedade;
4 - o Estado deve preservar e respeitar a originalidade regional dos múltiplos centros de poder tradicionais.
Não só se impõe um reforço do princípio da subsidiaridade, como um movimento CRAT propõe toda uma nova perspectiva sobre o problema da soberania e os limites do poder estatal - o poder estatal absoluto criado pela Revolução Francesa e pelo Demo-Liberalismo, reforçados pelos Nacionalismos e pelos Socialismos e agora pelo Mega-Estado Europeu são aqui postos em causa e em cheque. Toda uma nova orgânica presta-se aqui a ser construída;
5 - anti-individualismo.
O limite pessoal em prol do bem da comunidade é mais valioso do que o esforço sobre-humano para vencer a todo o custo a competição que a Educação e a Mentalidade Moderna querem implementar nas mentalidades ocidentais. A Massificação e a Uniformidade são características Pós-Modernistas enquanto que a Heterogeneidade e a Unidade são os fundamentos da riqueza cultural e civilizacional Europeia.
6 - a procura por um equilíbrio sustentável entre a Liberdade pessoal e a liberdade das unidades tradicionais da sociedade. Este equilíbrio deve partir pela atribuição a cada indivíduo do máximo racional de liberdade. Esta Liberdade pauta-se pela felicidade individual e social, e não tem nada a ver com a suposta "liberdade para errar". No Erro não existe Liberdade, pois ele afasta a Dignidade e a Espiritualidade. No entanto, o princípio do máximo de liberdade racional não se prende a uma norma puritana ou a um Estado Totalitário Ultra-Moralista. Tal como afirma São Tomás de Aquino, o ser humano tem como dado inerente à sua existência a Culpa, o Pecado Original, e como tal, apesar de poder ser aperfeiçoado, não terá nunca a possibilidade de se tornar perfeito. Como tal, sendo o pecado parte natural do homem, tem o Estado obrigatoriamente de velar pelo seu bem mas ao mesmo tempo permitir que este possa conviver e aprender com os seus instintos pecadores, uma vez que esta é a sua natureza concedida por Deus.
Um Estado que proíba totalmente o pecado é uma negação do Homem e da Redenção.

Posta esta exposição, pergunta-se o leitor "Não é pois suficiente a denominação de Conservador para um movimento que pretende ser, antes de tudo, conservador?"Seria, não fosse a própria raiz da palavra inútil à vista da actualidade portuguesa. Já não há nada para conservar em Portugal. A Tradição ou morreu ou vai lutando quase desarmada contra um Estado poderosíssimo e uma Nova (a)Moralidade invencível e destrutiva. Os partidos conservadores portugueses são aqueles que, aceitando os preceitos da Revolução e do Materialismo, apenas pedem que se mantenha algum do status quo antigo, que lhes permita alguma da paz social mínima para manter alguma capacidade produtiva e as diferenças sociais que lhes agradam, não por sentido de dever patriótico mas sim por utilitarismo e vaidade pura. Um Movimento CRAT não é só conservador. Nas Palavras de António Sardinha:
«Não somos conservadores - dada a passividade que a palavra ordinariamente traduz. Somos antes renovadores, com a energia e a agressividade de que as renovações se acompanham sempre. O nosso movimento é fundamentalmente um movimento de guerra. Destina-se a conquistar - e nunca a captar. Não nos importa, pois, que na exposição dos pontos de vista que preconizamos se encontrem aspectos que irritem a comodidade inerte dos que em aspirações moram connosco paredes-meias. É este o caso da Nobreza, reputada como um arcaísmo estéril em que só se comprazem vaidades espectaculosas. A culpa foi do Constitucionalismo que reduziu a Nobreza a um puro incidente decorativo, volvendo-a numa fonte de receita pingue para a Fazenda. Foge, cão, que te fazem barão!- chacoteava-se à volta de 1840. Mas para onde, se me fazem visconde?! E nas cadeiras da governança o cache-nez célebre do duque de Avila e Bolama ia esgotando os recursos do Estado em matéria de heráldica.»
E é precisamente esta peculiaridade que nos leva ao segundo elemento de um movimento CRAT, em análise no próximo texto: o T.

Acordo Ortográfico

Aconselho a visionar o programa de hoje (16 de Setembro de 2011) do Sociedade Civil, sobre o Acordo Ortográfico, da RTP2.

Mente Moderna, Mentira Moderna

The Problem with Liberalism, in Collapse, The Blog

What an intolerable thing it must be to a liberal: to be on the side of history that has experienced unparalleled success; to identify with an intellectual and philosophical tradition that has not only succeeded in its goal of destroying an entire civilization but has succeeded to such an extent that the survivors of this moral and rational apocalypse imagine themselves more civilized than ever, despite veering back toward illiteracy, paganism, and squalor; and yet to measure their successes against an impossibly high standard, a standard so high that every minor breach of their false and evil creed -- even a largely-unread post on some nobody's blog -- produces oceans of inchoate rage. What a miserable endeavor modernity has been: always destroying, always negating, but never producing anything of value and never fulfilling its promises. Somewhere in Hell, the devil is surely dancing at his triumphs.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Trono Vago

Repúdio de Évora-Monte

Em consequência dos acontecimentos que me obrigaram a deixar os meus domínios de Portugal e a abandonar interinamente o exercício da minha autoridade, a honra e a dignidade da minha pessoa, os interesses dos meus fiéis vassalos, e, finalmente, todos os motivos de justiça e decoro me obrigam a protestar, como protesto à face de toda a Europa relativamente a todos os acontecimentos acima mencionados e contra qualquer inovação que o governo de Lisboa tenha introduzido ou haja de introduzir às leis fundamentais da monarquia.
Deve concluir-se do que fica dito que a minha aquiescência a todas as estipulações que me foram impostas pelas forças preponderantes, confiadas aos generais dos governos actualmente existentes em Lisboa e Madrid, de acordo com duas grandes potências, foi da minha parte um mero acto provisório, dirigido a salvar os meus vassalos de Portugal de grandes desgraças que a minha justa resistência não lhes teria poupado, sendo, como fui, surpreendido por um ataque imprevisto e ilegal de uma potência amiga e aliada. Por todos estes motivos, tenho firmemente resolvido, logo que esteja no meu poder (como convém à minha honra e obrigação), fazer conhecer a todas as potências da Europa a injustiça da agressão dirigida contra os meus direitos e pessoa, e protestar e declarar, como protesto e declaro agora, que estou em liberdade, contra a capitulação de 26 de Maio passado que me foi proposta pelo governo de Lisboa; acto que assinei para prevenir maiores desgraças e poupar o sangue dos meus fiéis vassalos. Esta capitulação, portanto, deve ser considerada nula e sem efeito.

Porto de Génova, 20 de Junho de 1834 - D. Miguel de Bragança

Retalhos de um Professor de Piano ( V )

Gosto em ser professor

(...) Fazer crer em alguém, ao longo das aulas, que temos de ter um cuidado extremo para com os sons, de forma a podermos transmitir as nossas emoções e as emoções dos compositores de forma mais fidedigna, mais inteligente possível, usando a intuição, pois claro, o instinto, o irracional, isto tudo é uma tarefa premente, que nos irá facilitar a vida, para que da música aprenda a gostar. (...)

Caso queira ler o artigo completo, poderá encontrá-lo no nº 880 do Jornal "A Voz de Ermesinde", edição de 10-09-2011, já nas bancas.

Recordações da Hungria (VI)

Esquilos, montes de esquilos.
Árvores, muitas árvores. De fruto, de folhagem, de contagem decrescente para o quarto crescente lunar.
Eram momentos de pura leveza, rebelião das águas do rio Danúbio contra as pedras de pouca envergadura que ladeavam aquela parte da Ilha Margaret, mesmo no meio deste inigualável, insofismável, grandioso, fogoso, longo rio, junto à capital de uma parte do, outrora, Império Austro-Húngaro. Budapest era, de um lado e do outro, existência civilizacional à parte.
Ora olhava-se para a esquerda, Buda, o Castelo, símbolo de decadência pela sua escadaria pouco cuidada, portas fechadas e degradas, quase em ruína, essas de entrada daquela "Villa" privada, senhorial. Para a direita, Pest, o centro, a Música, as paixões, as convivências a pulularem por entre edifícios históricos, pessoas em feriados nacionais histriónicas.

Naquele lugar, porém, nada disso vinha ter connosco, mesmo que ao de leve.
Tínhamos o nosso próprio silêncio.
O que fazíamos era muito mais prazeiroso, tentar tirar fotos a esquilos, montes de esquilos.
A minha reluzente companheira nessas andanças, nesses correres e saltares tão pueris, perfilhava-se como uma sedutora de esquilos perfeita.
Lembro-me como se fosse hoje, sentia aquela aragem perfumada de tudo e de nada e afinal era só a face a corar de tanto correr através do bosque.

Até que, enfim, nos sentámos, completamente corroídos por essa benevolência do corpo: o cansaço.
Ao lado dos bancos estendia-se uma das poucas áreas que não tínhamos calcorreado. Escorrego, deslizo, espreguiço-me por entre a verdura ainda fresca desse rigoroso inverno.

Ela continua a falar das aulas que teve com o irmão de Ivo Pogorelich, um tanto ou quanto boas demais para quem também tinha laivos de loucura, poucos é certo - ela sublinhava isto com veemência, chegando quase a começar a falar no seu idioma. Eram coisas que lhe inculcavam amor à Pátria, amor à Música.

Eu ainda me deliciava com aquele cheiro pressentido, reflectido no meu espelho sensorial que, por qualquer razão ainda hoje inexplicável, era de tâmaras.

Que saudades daquelas caminhadas, daqueles passeios ao domingo, daquele tempo passado a reflectir, com aquela prestimosa, sedutora de esquilos muito engraçada.

Em suma, aquilo foi uma adorável peregrinação pelos locais escondidos e reveladores do


sábado, 10 de setembro de 2011

Fundamentos da Monarquia Hispânica

texto de Flávio Alencar para a revista Aquinate
A prática política ibérica baseava-se num modelo de Monarquia tradicional ou orgânica, de raiz medieval, em que o rei era, entre os grandes senhores, um primus inter pares. O rei não concentrava as decisões, mas vigorava o princípio da subsidiariedade, segundo o qual as instâncias de poder mais locais devem em geral resolver as questões de que sejam capazes. Conforme a necessidade, apelar-se-ia a esferas mais altas, que têm assim um papel subsidiário, se responsabilizando por empresas e encargos que fogem da capacidade da família e do município, e administrando a justiça. A Monarquia orgânica estruturava-se hierarquicamente, como uma pirâmide em que no cimo há muita autoridade e pouco poder, e na base há muito poder e pouca autoridade. O poder dos senhores locais sustentava a autoridade do rei, que assumia assim a figura de pai, senhor e juiz de todos. Os súditos devem respeitar e obedecer ao rei como pai, e o rei deve ser justo, solícito e misericordioso para com os súditos como para com filhos seus. Neste contexto, se podem entender os mecanismos de lealdade e de concessão de graças e mercês que marcam a relação entre rei e súditos nas sociedades de corte no Antigo Regime.

Em Portugal e Espanha, a Monarquia tradicional se assentava sobre um paradigma corporativo, como tem salientado um número cada vez maior de historiadores, seguindo a senda indicada por António Manuel Hespanha e Angela Barreto Xavier. Esta historiografia aponta para a necessidade de compreender o Antigo Regime Ibérico a partir de seus próprios usos e costumes, instituições e práticas. Aplicar, no estudo das sociedades de Antigo Regime, noções próprias da democracia liberal que sucedeu a Revolução Francesa – no caso do direito, p.ex., a noção de direitos individuais, de fundo racionalista – é condenar-se a não compreender essas sociedades em razão do anacronismo dos conceitos empregados. Aliás, esta acusação de anacronismo é a que, no caso do Brasil, fazem os partidários da idéia de Antigo Regime nos trópicos – estribada no paradigma corporativo – aos que defendem a noção de Antigo Sistema Colonial, prenhe de uma inegável visão economicista da História.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Four Religions

Four religions:

Liberalism: A single human world ordered by pure reason, based on pure (content-free) concepts. Freedom says you ignore the content of human goals so you promote all of them simply as such, and equality says you ignore the content of human qualities so you treat all men as equal in value. Put them together and you get liberalism.
Islam: A single human world ordered by pure will. There’s no place for reason, since God, who acts by arbitrary choice and is not bound by reason, is the immediate cause of everything.
Judaism: Two parallel human worlds, the public world everyone is part of that can be appropriately ordered by pure reason, and a private Jewish world ordered by will in the form of a contract between God and the Jewish people that imposes arbitrary conditions like keeping kosher.
Catholicism: Two human worlds, the order of nature and the order of grace, that are conceptually distinct but cannot be separated without violence because they are part of a single rational divine order: grace completes nature, and is meant for all.
To the extent the foregoing schema approximates reality, it appears that liberalism and Islam are direct mortal foes, and liberalism and Judaism are natural allies, since they need not interfere with each other. Liberalism and Catholicism can work together on some practical issues but in the long run are irreconcilable since the conceptions or reason and reality are different—Catholic reason has natural-law content, liberal reason does not.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Monarquia e Constituição

Kings and Constitutions
Any constitution strong enough to prevent a monarch from doing wrong is also strong enough to prevent a monarch from doing what is right.
A constitution is a legal document, it is blind, impartial, unfeeling and heartless. At certain times and in certain circumstances those can all be positive things but they can also be negative. A monarch, on the other hand, is fallible like anyone else, but can also have humanity and compassion in a way that no legal document possibly could. No code can ever cover every eventuality and even under the best of circumstances a constitution will always come up lacking and have to be revised, amended or reinterpreted. In some cases, such as we are seeing today all around the world, they can be reinterpreted out of all recognition from what their original intent was. In a republic a constitution is necessary because, like constitutions themselves, a republic lacks humanity. It sees the people as numbers on a page, as economic units or as a herd to be controlled and managed toward a productive end (productive for someone at least). However, a monarch, without a written constitution has the freedom to use his or her own judgment, common sense and to adjust policy with humanity and compassion, seeing beyond the cold hard facts to the greater, evident, truth. A democratic constitution, for example, would say that the majority is right, no matter what the circumstance, and must be satiated. A monarch without a constitution can, contrarily, overrule the majority when what they want is clearly detrimental to themselves, society or the good of the country.
A monarch has a conscience, a constitution cannot. A monarch can treat people with dignity and as individuals according to their unique circumstances or situation. A constitution sees no individuals, only a nameless, faceless number on a census report. The most powerful or the most powerless can be crushed by the unfeeling legalism of a constitution and no constitution is fool-proof. We are seeing that today, in my opinion, reflected in republics like Greece, Portugal and Italy as well as constitutional monarchies like Spain or Belgium. Their constitutions did not keep them from losing -at least in some measure- sovereignty to the European Union nor did they check the power of the government from enacting socialist policies that have ruined their economies, destroying the productive and rewarding the unproductive to the point that they are now near collapse. The original British constitutional monarchy, which maintained a balance of power between the Crown, the lords and the commons, worked quite well but it has been changed to something, by this point, completely different from that system. Constitutions can be good and in some cases can be necessary but history and the present day situation of the world only reaffirms my belief that they are not absolutely essential and can even be, at times, a detriment.

O Peregrino

"Sou e não sou. Desapareço e apareço. Faleço e ressuscito! Ando de morte em morte, de vida em vida [...] Sou o judeu errante, o peregrino. Sou eu, em mim, dentro de mim, em carne e osso, e uma substância incandescente que me ilumina e consome. Exaltada pelos ventos, irrompe do meu ser, devora-o e é só ela - a estranha flama enlouquecida! Entonteço-me de fumo, não me vejo. Sou uma pessoa que eu nunca vi - aquele negro espectro que se eleva dentre os escombros dum incêndio. Apavora contemplá-lo; mas não lhe posso fugir. Pelo contrário, terrivelmente seduzido, mais me aproximo dele; confundo-me com ele e sou uma criatura absurda que existe e não existe [...]
Sou um absurdo; e este absurdo é a força que me sustenta de pé, entre a realidade inferior e o sonho etéreo."
Teixeira de Pascoaes, O Pobre Tolo

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Recordações da Hungria (V)

Da minha varanda contemplo árvores de grande porte sucumbirem ao vento, agreste e mal-disposto, que se aplacara ao Norte da nossa bússula interior e que, num grande opróbrio, as tinha vindo a obrigar, durante largos e intermináveis minutos, a enconstarem-se às vizinhas e aos vizinhos arbustos, muito incomodados com sua presença intimidatória, pois acaso já teremos mencionado que eram árvores de grande porte?
Ao longe e trazido pelo ar, esse acumulador de sons que os transporta, identifico notas de música provindas de um piano, um piano um tanto ou quanto desafinado ou desregulado. Seria Schumann, seria Chopin, Vianna da Motta ou Luís de Freitas Branco?
Não, a melodia não o revelava assim tão romanticamente, para o seu estilo. Tudo era envolvido numa forma sempre robusta, viva, audaz. Modulações contrastantes, ritmos abrasadores, comunhão de ideais de liberdade e sua irmã predilecta, a fraternidade. Fossem essas ou outras promessas, aquela música era de uma linearidade sem par, antecedida em fervor religioso por Bach, envolvida num dramatismo mais irónico, com alguma veleidade sensorial por Gluck.

Era Beethoven, o decano.

A mãe dessa pessoa, dessa humanidade em pessoa que estaria ao piano numa entrega ao espírito de Deus na procura de alcançar a sua perfeição, deveria ser uma mãe, dizia eu, compreendiva, pois se nenhum grito de angústia a assaltava.

Era Amor, o ufano.

Da minha varanda aclaro as memórias entreabertas por J. Almeida: é devido ao seu apontamento sobre os preços dos bilhetes para ver a tetralogia de Richard Wagner "O Anel de Nibelungo" na Casa da Música, no Porto.

«Era final de ano lectivo, exames à porta, como se costuma dizer. Mas as únicas portas que eu queria abrir eram as do MuPa (Palace of Arts de Budapest, Hungria) essa sala de concertos enorme mas incrivelmente pequena para tanto assombro ao assistir, pela primeira vez ao vivo, a toda a Tetralogia do Anel de Nibelungo de Richard Wagner.
Foi emocionante, um período da minha vida que não esquecerei. Só que é verdade aquilo que Debussy diz (embora não seja seu abnegado defensor, o Debussy em relação aos "wagnerianos"): obras criadas para um certo espaço correm o risco, muitas vezes, de verem o seu valor ser falseado sendo representadas noutras esferas, sociais, geográficas e musicais. Principalmente com esta obra e com Parsifal.
Uma pessoa raramente, por conseguinte, fica satisfeita com os cenários, com o momento em que vamos ver tal obra, de acordo com seu espírito interior e exterior. Mas quando tudo isto está de bem com connosco, com nosso gosto e nós de bem com a vida, então é momento raro aquele que vivemos.
Eu vivi, "literalmente", no MuPa durante 4 dias: eu já nem almoçava em casa, era à beira-rio, a 2 passos do "local".
Era época de exames, como já referi. Pois, está bem, era o tanas o estudo. Ele já o tinha sido feito anteriormente, de modos que eu vivia descansado, como depois de pode constatar na carta de curso. A vista no MuPa para o exterior era deliciosa. A comida do bar divina. Diabólicos, só os seus preços! Memorizei tudo o que havia para memorizar dos livros, cd's e restante panóplia de sensações e visões das lojas e do que as pessoas levavam, conquanto os intervalos eram de quase uma hora, por vezes. Ora essa, então e não conhecias ninguém? Eu explico:
Juntou-se pessoal, cada um ia estando na fila de forma dividida de tempo para comprar o bilhetes. Infelizmente, só um sobreviveu: eu. Os outros não aguentaram tanto tempo, ou queriam estudar, ou "não gostaram". Ao 3º dia eu já ia para lá só como que numa caminhada para Santiago de Compostela ou Fátima. Só espiritualmente, porque fisicamente era uma catrefada de gente nos transportes. Romaria!!!
Conheci, fiquei conhecido de amigos, amigas. Ainda hoje falo com gente que conheci nesses 4 dias.
Ainda hoje me lembro das férias que fizemos, juntos, depois disso.
Bom, atrás mencionei o acto, em comunhão, da compra dos bilhetes.
Bilhetes para estudantes, fossem de que curso universitário ou secundário fosse, vendidos horas antes de cada dia de espectáculo. Longas filas. Porque razão?
Porque os preços eram de, atenção caro leitor,
1,20 €.

E esta hein? diria Fernando Pessa, com seus olhos esbugalhados de espanto.

E quer a Casa da Música vender a 35€ por pessoa, preço NORMAL, por espectáculo?
Ainda por cima numa versão reduzida e com menos instrumentos? Só para que possa ser itinerante? Claro, assim fica mais barato para quem a põe em cena.
Se a ideia de dar a conhecer esta obra é meritória, a forma escolhida não é a melhor.
Ainda por cima a publicidade não apela a nada, que raio de parte eles puseram para ouvirmos?
A explicação dos artistas também não me transmitiu rigorosamente nada. E um vídeo sem legendas em português? E se eu for uma pessoa que não saiba nenhum daqueles idiomas mas que goste de ouvir boa música???
Ainda por cima, o cenário não é nada de extravagante, a cantora que aparece a cantar no segundo vídeo faz vibratos de 3ª, o que, trocado por miúdos, canta entre (ou varia a afinação) 1 a 3 notas de cada vez. Isso não dá. Nota-se logo. O preço exagerado por isto????
Até me podem apresentar outras salas de espectáculo por essa Europa fora (sempre é uma forma de se mostrarem "cidadãos do mundo", que têm informação do "estrangeiro") que em poucas salas de espectáculo podemos encontrar preços bons como estes. Mas se até a sala não é boa o suficiente acusticamente?
Lembram-se de falar na Romaria?
Essa romaria era nos transportes públicos mas de gente de todas das faixas etárias e estratos sociais, como agora se denominam "os indivíduos" em classes.
E se eu vos disser que essa treta de termos que comprar um passe e ele só estar válido até ao final do mês, mesmo que a gente compre em meados do mesmo?
Lá não funciona assim: compramos dia 10, ele dá até dia 9 do mês seguinte, e depois queremos ficar alguns dias sem passe porque sabemos que não o utilizamos - vamos de férias, por exemplo (Budapest ficava quase deserta de moradores nas férias, fossem elas quais fossem, então feriados é que era, mas isso são outras "estórias" - desculpa Manel, mas tinha que o escrever - é a vida) - então compramos dias depois e vigora até um dia antes, do mês seguinte. Tão simples, tão convidativo para se usarem mais os transportes públicos. Mas em Portugal é um m.... Não pensam nas pessoas. Budapest faz parte de um país mais pobre, sim, mais pobre, que Portugal. Aqui pensamos como novos ricos, é tudo à grande.

E por isso voltamos à questão dos bilhetes. É a mesma coisa para se ver uma ópera.

...e por aí adiante...

domingo, 28 de agosto de 2011

Uma obscura trama

Hoje topei com alguns conhecidos meus
Me dão bom-dia, cheios de carinho
Dizem para eu ter muita luz, ficar com Deus
Eles têm pena de eu viver sozinho

Hoje a cidade acordou toda em contramão
Homens com raiva, buzinas, sirenes, estardalhaço
De volta a casa, na rua recolhi um cão
Que de hora em hora me arranca um pedaço

Hoje pensei em ter religião
De alguma ovelha, talvez, fazer sacrifício
Por uma estátua ter adoração
Amar uma mulher sem orifício

Hoje afinal conheci o amor
E era o amor uma obscura trama
Não bato nela nem com uma flor
Mas se ela chora, desejo me inflama

Hoje o inimigo veio me espreitar
Armou tocaia lá na curva do rio
Trouxe um porrete a mó de me quebrar
Mas eu não quebro porque sou macio, viu

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Capitalismo, Liberalismo, Catolicismo

Junto con los demás nuevos teólogos políticos, Stephen Long rechaza toda acomodación al liberalismo y al capitalismo. Se esfuerza principalmente en desmontar las tesis de Michael Novak. Este católico liberal acepta el liberalismo con sus leyes específicas, pero reconoce la necesidad de normas morales que tiene este sistema económico para poder prosperar. Como el capitalismo no produce valores por sí mismo, hay que encontrar en otro lugar la fuente de los valores necesarios para su funcionamiento. Las religiones son necesarias para esto, en particular el catolicismo. Ahora bien, el catolicismo, deplora Novak, ha sido demasiado a menudo hostil al liberalismo, por no comprender suficientemente los mecanismos de la economía moderna. Es importante, por tanto, reformarlo, renovarlo, abrirlo a esta realidad.

Novak se adhiere sin pestañear al principio básico del liberalismo económico: la “mano invisible” de Adam Smith mediante la cual la búsqueda individual de beneficios produce la riqueza óptima. Desde su punto de vista, ese ejercicio mecánico de una libertad negativa es independiente de la moral: sería incluso peligroso contrariar el juego de los egoísmos. Al mismo tiempo, Novak, en tanto que cristiano, defiende la libertad positiva de la persona que busca lo bello, lo verdadero e incluso el bien común. Long denuncia esta incoherencia.

La concepción de la libertad negativa propia de los liberales (libertad de no ser obstaculizado para actuar) conduce a defender los mercados y las empresas aun cuando tengan efectos moralmente nocivos. Ahora bien, para un cristiano, deberían estar subordinados a fines morales. Novak sólo retiene de la Doctrina Social de la Iglesia lo que pueda compensar las desastrosas consecuencias de un sistema cuyos principios son radicalmente ajenos a ella. La llamada a la religión y a la ética sigue siendo puramente extrínseca en un sistema cuyo resorte es la utilidad. Mientras que un gran pensador como Joseph Schumpeter habría comprendido la potencia moralmente corruptora y corrosiva del capitalismo (que engendra a su vez la reacción socialista), Novak se manifiesta incapaz de reconocer la lógica utilitarista, individualista y, por tanto, inmoral del sistema.

do El Matiner

O Nosso Fado é Vencer

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

domingo, 21 de agosto de 2011

Breivik como espelho da mediocridade

Carlos Velasco analisa aqui, e acerca disto, e eu só lhe posso dar toda a razão, a mediocridade académica que mais não é que o forninho intelectual de novos e diferenciados Breiviks:
No vídeo acima, ele faz de conta que está preocupado com o facto das crianças hoje aprenderem a ser terroristas na escola, e logo depois, prosseguindo este fingimento nada subtil, ensina toda a gente como matar com técnicas das quais nunca ouvi falar, e eu sou daqueles que têm os ouvidos e olhos atentos. A ideia de matar e, em especial, a "maneira de matar", dão um gozo enorme ao doente em questão, que o demonstra, sem o saber, com o brilho no seu olhar hipnotizado e na sua descrição, já na parte final do vídeo, da maneira como agonizaria uma vítima de uma das técnicas assassinas que ele divulga. Após este espectáculo ridículo, como forma de se gabar da sua "inteligência" e de um suposto domínio da arte da língua dupla, ele volta a provocar com uma mensagem alertando que nada daquilo deve ser tentado, depois de tentar a todos com o seu "poder de sedução". Quem, a não ser um psicopata, age assim?
Que fique claro que deixo aqui o alerta: temos diante dos nossos olhos um idiota de maus instintos que se tornou um psicopata perigoso graças à educação contemporânea. Não duvido que dentro de algum tempo veremos o seu nome estampado nos jornais e revistas de todo o mundo, que provavelmente usarão a tragédia como desculpa para mais uma campanha de desarmamento, que, para variar, atingirá apenas quem deseja se defender deste tipo de doentes, que costumam atacar apenas quando têm a certeza de que não haverá resposta. Quanto a eles, conseguem sempre arranjar armas ou uma maneira engenhosa de matar. O pretexto? Já trataram de lhes ensinar...

A minha Lista de blogues


Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
"(...) as leis não têm força contra os hábitos da nação; (...) só dos anos pode esperar-se o verdadeiro remédio, não se perdendo um instante em vigiar pela educação pública; porque, para mudar os costumes e os hábitos de uma nação, é necessário formar em certo modo uma nova geração, e inspirar-lhe novos princípios." - José Acúrsio das Neves