sexta-feira, 29 de abril de 2011


Elle est retrouvée.
Quoi ? – L'Éternité.
C'est la mer allée
Avec le soleil

Âme sentinelle,
Murmurons l'aveu
De la nuit si nulle
Et du jour en feu.

Des humains suffrages,
Des communs élans
Là tu te dégages
Et voles selon.

Puisque de vous seules,
Braises de satin,
Le Devoir s'exhale
Sans qu'on dise : enfin.

Là pas d'espérance,
Nul orietur.
Science avec patience,
Le supplice est sûr.

Elle est retrouvée.
Quoi ? - L'Éternité.
C'est la mer allée
Avec le soleil.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Porque o Futebol também é uma arte (e Hoje fez-se um grande espectáculo)

Então não é que 5 golos é a receita mais utilizada pelo Futebol Clube do Porto para qualquer adversário?
Então não é que Falcão marcou 4 golos em 45 minutos?
Então não é que vamos ter uma final europeia 100% portuguesa?

Ah pois é!!

Foi o naufrágio do "submarino amarelo" contra os barcos rebelos no jogo da batalha naval.

Na Sibéria


Par les soirs bleus d'été, j'irai dans les sentiers,
Picoté par les blés, fouler l'herbe menue :
Rêveur, j'en sentirai la fraîcheur à mes pieds.
Je laisserai le vent baigner ma tête nue.

Je ne parlerai pas, je ne penserai rien,
Mais l'amour infini me montera dans l'âme ;
Et j'irai loin, bien loin, comme un bohémien,
Par la Nature, heureux- comme avec une femme.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Uma doença chamada Nacionalismo

Nationalism is the ideology or attitude derived from what has been called the right of self-determination. This can be defined as the capacity and right that every nation or people has to constitute itself into a sovereign State. It can be inferred from the literal reading of this definition that it is inalienable; that is, just as someone should not have the freedom to give oneself into slavery, so a people should not be able to renounce this right forever. In practice, nevertheless, clearly it isn't interpreted with the rigidity of this sort of right/duty. It would be more correct, therefore, to define it as the right that a people has to decide if it wants to constitute itself into a sovereign State.

At first glance the historical nature of this concept stands out: its definition is dependent on the terms “people” and “State”, which take on their present meaning with the French Revolution, as we shall soon see. Therefore, if the parts that make up its definition are a legacy of the French Revolution, so must be nationalism itself. Once this is established, it remains to see whether it is an evil or not.

1. State and People

The State to which every nation has a right is, forgive this obvious remark, the State. That is, the modern State (here the adjective “modern” is descriptive, not limiting; that is, it stresses a fundamental quality of its object, but it is not used to differentiate it from others of its kind). Even though it may share the denomination of “State” with previous incarnations of the political community, the modern State constitutes a completely new reality since its birth with the French Revolution. To give a very brief characterization, it can be described as the State that is an artifact, as opposed to a natural political structure; that is neutral, as opposed to orthodox; and that is particularistic, as opposed to universalistic. [1] With regards to our present objective, it is important to underline this particularism or exclusivism, which as we will see has a significant impact in the wickedness of nationalism.

When one tries to examine the concept of people or nation, an infinity of definitions soon spring up. What constitutes a people? Is it an objective element, like language, culture, race? If so, which one? Or is it rather something subjective, a willingness to belong? It is useless to go deeper into each option, as from this point of view it is an unsolvable problem. No one who has tried to defend a single criterion has managed to convince everyone else. The problem lies in an erroneous approach that takes as its starting point the idea of the exclusivity of peoples, idea upon which the exclusivity of modern nation-States is founded. When one believes to have discovered a characteristic that exactly describes a concrete people, and nobody else outside that people, it does not take long for reality to prove it wrong. And this is so because the idea that peoples are homogeneous within and exclusive to those without does not belong to reality. It is clear that peoples are not unmoving compartments, so that where one ends another must begin. There are different levels and degrees of identity and community, interacting with variable intensity in diverse territorial extensions. The Balkans are paradigmatic: looking at their demographic complexity, it is easy to see the consequences that the principle of national self-determination has wrought on this territory ever since the downfall of the Austro-Hungarian Empire, which to a great degree repudiated this doctrine.

The national element is a dreadfully inadequate criterion on which to base political entities and draw their borders. Only the French Revolution, taking advantage of a favorable historical situation (the strengthened post-Westphalian State), turned this union and confusion between nation and State into a political and sociological dogma. A brief glance at history –for instance, at the Holy Roman Empire and the many kingdoms that made up the Spanish Monarchy– will suffice to prove that in order to achieve harmonious societies it was not necessary to unite political community to nation (meaning place of birth, devoid of political connotations, in its original meaning). These two historical examples are doubly significant because they lead to the suspicion that the doctrine of nationalism was not only false and fictitious, but that it was also construed in order to serve meticulously-calculated interests. Medieval and later Imperial Spain and the Holy Roman Empire stand out for the limitations that the central political power found in the different parts that constituted the whole. In Spain, the Cortes and fueros or local law of the many kingdoms that made up the Crowns of Castille and Aragon. In the Empire, the power of the princes and electors, highly independent but vassals nonetheless to the Emperor. These limitations were justified in the historical, juridical and institutional differences that gave an identity to each constituent part. Each one maintained a certain original autonomy –not delegated by the central power– and for that reason did not feel threatened, but rather ennobled, by the superior power's work of cohesion. In other words, autonomy and pyramidal subsidiarity were the indispensable requisite for the separation of nation and political form. They were the reason why peoples welcomed the opportunity of political union with others, without fear of losing their identities. This went hand-in-hand with the understanding that every power was ordained to the fulfilment of its ends and thus limited to them, as opposed to the absolutism and singleness of the modern doctrine of sovereignty. Lower local powers, just as the higher powers, had their own spheres: so long as the higher ones did not interfere abusively in the lower ones, giving loyalty to them did not present any problems. It was not a surrender, it was giving everything its due according to its particular nature.

From this necessary correlation between subsidiary autonomy and the existence of multi-national (e.g. Spanish Empire) or partially national (e.g. Republic of Florence) political forms, a suggestive thought soon arises: a Revolution that wanted to destroy intermediate societies and create a despotic direct bond between the individual and the State found the perfect means of doing so by advancing the doctrine of the inseparability of nation and State. It proclaimed the exclusivity of peoples underlying in nationalism in order to bring about a particularistic State in opposition to Christendom's universality.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Retalhos de um Professor de Piano ( IV )

Com os alunos estamos sempre a aprender, mesmo que seja algo tão simples e que, no entanto, nos revele sabedoria elementar.

Ordem dos sustenidos:

Fa, do, sol, re, la, mi, si

"Frad'o sol rezla-a missinha"

Reminiscências Literárias (II)

Num repente,

l i b e r t a d a,

pura escultura,

na macia


de um acorde.

in "Ballet" - António Gedeão

sexta-feira, 15 de abril de 2011

mais importante: lembram-se dos blues?

Lembram-se de Brecht?

Primeiro levaram os comunistas, mas não me importei porque não era comunista/

Em seguida levaram alguns operários, mas a mim não me afectou porque não era operário/

Depois prenderam os sindicalistas, mas não me incomodei porque nunca fui sindicalista/

Logo a seguir chegou a vez de alguns padres, mas como não sou religioso também não liguei/

Agora levaram-me a mim e quando percebi já era tarde.

Pergunto-te, Irmão

Se eu não vou votar nestas legislativas, porque razão tenho eu de pagar a porra das tuas eleições?

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Democracia empenhada

Este ano, lute contra a abstenção - faça como eu, vote em todos os partidos presentes no seu boletim de voto.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Política previsível (V)

1ª Página do "Confidencial" - Políticas & Negócios, Suplemento de Economia do Jornal SOL, no 1º número deste jornal: 16 Setembro de 2006 Letras gordas: Armando Vara: "OPA do BCP é um desafio (...) Tenho uma enorme auto-estima e isso irrita muita gente. Sei aquilo de que sou capaz e aquilo em que não me devo meter". Viu-se... Páginas interiores do Jornal: "Assembleia encolhe: o PSD quer 180 deputados. O PS admite ceder até aos 200". Quando é que esta discussão vai resultar em algo palpável? Mais adiante: Grande foto no Palácio de São Bento onde aparece Sócrates a cumprimentar, vergando-se um pouco, Marques Mendes, com este a "agarrar-lhe" o braço direito. Ambos sorridentes. Ambos imprudentes. Ambos mal-dizentes. ---//--- O manifesto na 1ª página deste semanário é uma grande tanga, não diz nada de jeito, só com frase feitas e cheias de sinónimos e adjectivos: bla bla bla mas não bla bla bla Ah, já agora, "Um jornal que vale por si. Este Semanário não oferece brindes nem faz promoções." Nota-se tótil que respeitam sempre os seus princípios e valores.

Política previsível (IV)

Capa do Jornal de Notícias de 21 de Fevereiro de 2005

Portas demite-se, Santana Lopes Não (...) conjunto da Esquerda soma cerca de 60% dos votos. Abstenção 34.98%; 2002 - 37.66%

Aceitam-se apostas para Junho...

domingo, 10 de abril de 2011

Política previsível (III)

Durante a escrita deste artigo ouvi esta notícia: Fernando Nobre, ex-candidato presidencial, será o cabeça de lista do PSD por Lisboa. O anúncio foi feito pelo líder do PSD, Pedro Passos Coelho, que, na sua página do Facebook, confirmou ainda que Fernando Nobre será, na próxima legislatura, o candidato social-democrata à Presidência da Assembleia da República.

Calhou ter aberto hoje o "Jornal de Notícias" do dia 18 de Abril de 2009.

Letras gordas de alguns artigos:

"E se o Ministério da Educação fosse extinto?" - na foto vê-se Manuela Ferreira Leite a sorrir (milagre) mas a não apertar a mão de um cidadão (de chapéu dentro de um edífico) e ao lado Agostinho Aguiar-Branco. A primeira tinha organizado um debate com a sociedade civil. A ideia partiu acima descrita partiu de Nuno Crato, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática. Marcelo Rebelo de Sousa moderou o debate.

Mais abaixo, na mesma página, "PS chumba aumento do subsídio de desemprego", proposta do PCP e votada com abstenção pelo PSD e CDS-PP.

Artigo de opinião do Director da TSF, Paulo Baldaia - "Partido partido e país falido"

Parece que se fosse a abrir o jornal sem saber a data, ia supor que eram notícias de hoje.


"Quero terminar aqui" - Quim (...) garante que gostaria de concluir a carreira nas águias.


quinta-feira, 7 de abril de 2011

TV to serve the music

Tenho visto com prazer este novo programa de António Victorino d'Almeida.

Considero-o com bom ritmo, com linguagem e lembranças sui generis, um pouco escandalosas ou sem interesse nenhum caso estejamos à espera de um programa só informativo e só sobre música. Mas quem leu alguns livros dele no domínio da música já saberá com o que conta. São histórias dentro da História da Música (algo que no episódio transmitido hoje - ou visualizado sempre que queiram - por exemplo, é liminarmente repudiado por parte do Compositor, que pensa que nunca existiu uma grande e razoável História num domínio tão subjectivo como uma arte de apresentação sempre efémera).


Referi que sempre que queiram poderão visualizar o programa, mas quando teremos a colectânea completa de todos os programas realizados e apresentados pelo Pianista? Nem que fossem só aqueles a preto e branco, de Viena, na RTP. De estilo bastante diferente do de Leonard Bernstein, com os seus "Concertos para Jovens", são no entanto de nível apreciável para quem quer conhecer mais sobre Música e suas histórias, misturadas com a História da Humanidade, maioritariamente do Velho Continente.

Aos que agora tomam conhecimento deste Comunicador, irão encontrar um programa com boa pós-produção, passagens em que começa uma frase ou uma ideia em Portugal e termina-a em Viena e vice-versa, momentos hilariantes, diálogos muito particulares entre o maestro e ele mesmo mas nas séries da RTP ainda a preto e branco (atrás referidas).

Maestro ou maestro? António Victorino D'Almeida não se considera "Maestro", reportando-se a pouquíssimos momentos em que dirigiu uma orquestra no pós-25 de Abril e que a partir daí, também por ter criado uma Sinfonia que seria baptizada de "Benfica" e de nos seus programas anteriores pouco tocar ao piano, ser conotado com essa "figura" de maestro. E ele assim gostará um pouco de ser chamado, mas sempre com alguma estranheza e relutância.

A escolha da música para cada episódio é muito bem feita, com alguns temas como Leimotiv, sem música de fundo a todo o instante, o que nalguns programas do género torna-se maçador.

Boa ideia foi seleccionar um espaço e tempo específicos para a divulgação dos seus livros e gravações da sua obra.

Quer gostemos ou não, é um Músico que trabalha com qualidade e que não precisou de dar aulas ou de ter cargos "importantes" ou de ser doutorado para ser "gente". Mesmo que por isso tenha sofrido muitos dissabores.

Vale a pena ver. É uma maneira pouco convencional de conhecer a Grande Música Erudita Ocidental.

Ah, e os Simpsons dão logo a seguir, na RTP2.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Goebbels - A Semente da Revolução

For the authoritarian nationalist conception of the State represents something essentially new. In it the French Revolution is superseded. (...)
We have modernized and ennobled the concept of democracy. With us it means definitely the rule of the people, in accordance with its origin. We have given the principle of Socialism a new meaning. ... Never have we left anyone in doubt that National-Socialism is not for export. ... We do not aim at world domination, but we do intend to defend our country, and it is our new conceptions which give us the inexhaustible and ever-renewed strength to do so. ...
J. Goebbels, On National-Socialism, Bolshevism, and Democracy

(September 10, 1938)

Pacto BE-PCP

Recordações de um Concerto ( III )

Todo este texto foi escrito enquanto o autor ouvia o 2º Concerto de Brahms com a orquestra do Concertgebouw de Amsterdão, dirigida pelo maestro Bernard Haitink e ao Piano Claudio Arrau, numa gravação em vinil.

Lembram-se da cena inicial "Música no Coração"? Julie Andrews, no papel de Maria aparece entre montanhas ora altivas, aconchegadoras ora severas, deixando-se levar por caminhos de plena liberdade, com seu coração palpitante na verdejante vista. Um claro, simples e sereno quadro de felicidade se vislumbra nessa cena.

É este o sentimento que me invade quando oiço o início do 2º Concerto para piano e orquestra, Opus 83 e Si bemol Maior, de Johannes Brahms - 1833 Hamburg, 1897 Viena.

O 1º andamento, um "Allegro non troppo", começa com um chamamento longínquo das trompas a que responde o piano com uma subida calma sozinho, como que imitando as primeiras. Este diálogo será, pouco depois, interrompido pelo pianista com uma fúria abrasadora tal que põe a descoberto uma impaciência romântica, um fogo que precisa de explorar e comunicar, até que chega a um pico - um dos muitos cumes que encontramos em tantas montanhas juntas - e logo de seguida a afirmação pela orquestra da tonalidade principal do concerto. Esta, já noutro carácter, mais encantantatório, revela-se no mesmo tema inicial, como que se nunca tivéssemos de lá saído, como se entrando na casa dos Von Trapp nos mantivéssemos dentro do campo. Sempre com o piano em grande sensibilidade e virtuosismo.

A multiplicidade neste concerto de relações motívicas, temas, orquestração muito bem feita, a disposição dos momentos de maior apogeu da orquestra e do piano, as surpresa harmónicas, o lirismo e a impaciência sempre em constante diálogo e combate. A conjugação da clareza clássica, da exploração muito barroca de diversos estados de alma e das belíssimas melodias - como não lembrar as declamações ao rubro de amor no 2º andamento "Allegro appassionato"? - e das passagens super virtuosas é inigualável. E que falar da elegância do 4º andamento, descrito pelo compositor como "Allegretto grazioso - Un poco più presto?"

Esta minha adoração por este concerto teve mais um momento de deliciosa e poderosa audição no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, numa sala bem composta de público, bonita e com boa resposta sonora do que é tocado no palco para o público, só havendo o senão de haver lugares no balcão onde não se vê o palco.Foram intérpretes a Orquestra Gulbenkian, dirigida pelo Meastro Lawrence Foster, com o Pianista Arcadi Volodos.

Foi um prazer poder ouvir aquele que alguns já antevêem poder vir a ser o próximo Grigory Sokolov, que é proclamado como o mais completo pianista vivo pela crítica e pelo público.

Só foi pena notar alguma indiferença, nalguns momentos de maior exaltação, por parte da orquestra, com entradas um pouco fora do contexto por parte de alguns instrumentistas de sopro e pela chefe do naipe de violoncelos, que no 3º andamento - com indicação "Andante - Più adagio" - preferia revelar toda a sua excentricidade e valor, como se nada mais existisse, ficando o piano sem qualquer poder.

Um andamento todo ele passado no quadro do 1º, mas agora estamos sentados, a reflectir sobre nós próprios.

E o extra? Delicioso: de Alexander Scriabin "Feuillet d’album" op. 45/1 mesmo sendo extremamente difícil de captar a atenção do público depois de um concerto tão intenso, que dura aproximadamente 45 minutos.

Fico com a sensação de vida plena sempre que acabo de ouvir este concerto.

É música profunda e inexplicavelmente cinematográfica.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Soneto Incompleto

El-Rei D. Miguel de Portugal:

É de medalha o teu perfil vincado.
Tu, sim, que fostes o último Senhor,
que destes ao ceptro o uso dum cajado
e à Realeza o ofício de pastor!

Ficou suspenso sobre a terra o arado,
desde que o abandonou o lavrador.
Ninguém o tira donde está fincado,
não há ninguém que o puxe com vigor!

António Sardinha

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Y Viva los Cristeros!

"The reactionary does not condemn the bourgeois mentality, but rather its predominance.
What we reactionaries deplore is the absorption of the aristocracy and the people by the bourgeoisie.
It is the emasculation of liberty or, alternatively, of equality."

Nicolás Gómez Dávila

domingo, 3 de abril de 2011

Um Blogue sobre Distributismo, Economia e Austríacos

A Cigarrilha de Chesterton

e uma hipotética theme song para esse mesmo blog

Porque ainda se fazem coisas boas em Portugal

Que o sucesso e honestidade musical estejam lado a lado com estes dois pianistas, cada um ao seu estilo - pois diversidade "rima" com escolha - Miguel Santana e Raúl Costa. Estes vencedores de certeza que terão, cada um com 1000 euros, dinheiro para comprarem uma mota Yamaha para quem lhe faz uma pequena publicidade (eu, claro)!
Abraço aos dois e Parabéns!!

A minha Lista de blogues


Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
"(...) as leis não têm força contra os hábitos da nação; (...) só dos anos pode esperar-se o verdadeiro remédio, não se perdendo um instante em vigiar pela educação pública; porque, para mudar os costumes e os hábitos de uma nação, é necessário formar em certo modo uma nova geração, e inspirar-lhe novos princípios." - José Acúrsio das Neves