segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Zé da Fisga


Criado por Fernando da Silva Gonçalves após ser enviado a cumprir serviço militar em Cabinda, integrado na Companhia de Caçadores Especiais 371, o cartoon português "Zé da Fisga" foi originalmente publicado no jornal humorístico luandense "O Miau" (1964), transitando de seguida para a "Revista Notícia" (Angola, 1967), onde atingirá o seu maior público e a sua notoriedade entre os soldados do Exército Português. Chegou também a ser publicado em Portugal, pela revista "A Palavra". 
Considerado como uma das mais populares personagens do desenho humorístico português dos anos 60 e 70, a tiragem termina em glória e no seu auge em 1975, quando o seu autor retorna a Portugal. 
O êxito da personagem deve-se, de certo, às suas qualidades bastante portuguesas e sobejamente admiradas pelos soldados colocados no Ultramar. Malandro mas bom rapaz, desenrascado mas cumpridor, Zé da Fisga não perdia uma oportunidade para pregar uma boa partida ao seu sargento. 
 O coração doce de Zé da Fisga leva-o a provar o mel em várias colmeias, mas sempre tratando as abelhinhas com carinho. Don Juan de caserna, português dos três costados, está permanentemente rodeado de belas mulheres de todas as raças e cores - Zé da Fisga é o produto terminado e posto em prática de uma era que sonhava num Portugal multicontinental e multirracial, mas sempre Português.



A minha Lista de blogues

Seguidores

Acerca de mim

A minha foto
"(...) as leis não têm força contra os hábitos da nação; (...) só dos anos pode esperar-se o verdadeiro remédio, não se perdendo um instante em vigiar pela educação pública; porque, para mudar os costumes e os hábitos de uma nação, é necessário formar em certo modo uma nova geração, e inspirar-lhe novos princípios." - José Acúrsio das Neves