domingo, 23 de novembro de 2014

Ao Calor do Corpo

"Ao calor do corpo, as pólvoras não se molham nem os fulminantes falham com a humidade das noites." Explicava ele, aconchegando a larga cinta a descer muito abaixo das abas da jaleca de alamares de prata. Costumava atacar a curta espingarda de boca de sino - o seu trabuco - com buchas de papel, cortadas das proclamações do General Miguelista Macdonell, bem crente de que a boa doutrina, espalhada por descarga de zagalotes, mais fundo penetraria, do que a propaganda das literaturas.
(...)
"Olhe Menino! Digam o que disserem, façam o que fizerem, em Portugal não pode haver sossego sem honra... Grande crime, grande castigo!"

Carta a um Príncipe, Conde de Alvelos

A minha Lista de blogues

Seguidores

Acerca de mim

A minha foto
"(...) as leis não têm força contra os hábitos da nação; (...) só dos anos pode esperar-se o verdadeiro remédio, não se perdendo um instante em vigiar pela educação pública; porque, para mudar os costumes e os hábitos de uma nação, é necessário formar em certo modo uma nova geração, e inspirar-lhe novos princípios." - José Acúrsio das Neves